quinta-feira, 22 de junho de 2017

D. João IV da História das guerras no Reino do Brasil


Já aqui escrevi que em Outeiro Seco, no Solar da minha família paterna existia uma colecção de gravuras representando os reis de Portugal, de que sempre ouvi o meu pai e a minha avó falar com algum respeito e admiração, embora eu não me lembre deles. Também com dez ou dezasseis anos não estava sensibilizado para reparar em gravuras. Procurei obter alguma informação mais consistente sobre essa colecção, mas em vão. Nos dois filmes que o meu pai fez da casa nos anos 60, não consegui ver estes quadros nas paredes daquela casa e também não constam de um inventário dos bens do solar, que a minha avó escreveu nos 60 ou 70.

Portanto não faço a menor ideia se a colecção era pequena ou muito grande e se contemplaria os cerca de 34 reis de Portugal. Através da memória do meu pai sei que eram bastantes e estavam colocados nas duas paredes que ladeavam a janela da sala de estar. Por herança, recebi três gravuras dessa colecção e a minha irmã, outra e por essa pequena amostra, presumo que fossem gravuras retalhadas de diferentes livros. Terá sido pois um conjunto formado ao longo dos tempos correspondendo a um sentimento de veneração, pois à época os reis eram figuras tidas em grande respeito.

Talvez por essa razão, sempre que vejo uma gravura antiga representando um antigo rei de Portugal compro-a sem hesitar e assim, ao núcleo inicial proveniente do Solar de Outeiro Seco -D. João I, D. João II, D. Manuel – acrescentei já um D. Fernando I e um D. Pedro II e agora há pouco tempo foi juntar-se à esta pequena colecção uma estampa formidável representando D. João IV. Julgo que no fundo agrada-me a ideia de aos poucos ir reconstituindo na minha casa a antiga colecção de retratos dos reis de Portugal, outrora existente no Solar dos Montalvões. Claro, terei que mudar de casa para alcançar essa meta, mais isso já é outra conversa.
 

Relativamente a esta estampa, fazendo uma pesquisa no Google combinando o título e pelos nomes do criador e gravador, Ioannes 4 Lusitanie Rex / Antonius Horatijs Romanus Benedictus Fariat encontrei rapidamente um exemplar desta gravura no British Museum, com uma data atribuída entre 1661-1724.
 
Folha de rosto da Istoria delle guerre del regno del Brasile

A partir dos dados obtidos no British Museum, efectuei mais umas pesquisas na internet acabei por descobrir na Biblioteca Marciana de Veneza que esta estampa fazia parte de um livro intitulado Istoria delle guerre del regno del Brasile accadute tra la corona di Portogallo e la repubblica di Olanda, da autoria de João José de SANTA TERESA, João (1658-1733), editado em Roma pela Stamperia degl' Eredi deI Corbelletti, no ano de 1698. Contudo no exemplar da biblioteca Marciana, que se encontra digitalizado as gravuras foram coloridas à mão. Mais além encontrei no Google books outro exemplar digitalizado desta edição, onde se vê que o retrato do D. João IV estava entre as páginas 4 e 5 do tomo II da referida obra.
Na edição de 1698 esta estampa encontrava-se no tomo II da Istoria delle guerre del regno del Brasile, entre as páginas 4 e 5

Estava todo contente pensando que tinha comprado uma gravura do longínquo ano de 1698, quando descubro no catálogo colectivo das bibliotecas italianas, o OPAC SBN, que a Istoria delle guerre del regno del Brasile teve uma segunda edição em 1700, impressa em Roma nella stamperia di Antonio de Rossi : a spese di Giuseppe Sangermano Corvo, libraro à Pasquino. Consequentemente, a minha estampa tanto poderá ter sido retirada da edição de 1698, como da de 1700.

O Rei coloca o braço de fora da moldura, como estivesse a uma janela observando-nos.
O autor do desenho da gravura foi o artista italiano Antonio Horacio Andreas, acerca do qual não encontrei muitas informações, mas a quem não faltava seguramente talento, pois a estampa é muito boa e o pormenor do Rei colocar o braço de fora da moldura, como se estivesse a uma janela observando-nos, é delicioso. Quem executou a gravura, foi o francês Benoît Farjat Benoît Farjat (1645-1646 ?-1724), cuja forma latinizada do nome é Benedictus Fariat. Este senhor viveu e trabalhou maior parte da sua vida em Roma.

Relativamente ao tema, a obra descreve as guerras entre a Holanda e Portugal no Brasil no século XVII e apresenta muitas cartas e vistas daquele país, sobretudo do Nordeste e é uma fonte preciosa para a história brasileira. Uma parte desta obra está também digitalizada na Biblioteca Nacional do Brasil, mas apenas algumas cartas e vistas, que integram o volume factício Mappas do Reino de Portugal e suas conquistas, coligidos por Diogo Barbosa Machado, um bibliófilo (1682-1772), que se entreteve durante a sua vida a cortar partes de livros, manuscritos e a formar com eles colecções temáticas com anotações suas. Essa impressionante colecção do qual também faziam parte muitos livros raros e valiosos foi doada no tempo de D. José à biblioteca real, biblioteca essa que no tempo das invasões francesas foi para o Brasil, por lá ficou e deu origem a actual Biblioteca Nacional brasileira, no Rio de Janeiro. 
A Istoria delle guerre del regno del Brasile é uma fonte importante para a história do Brasil. Vista de S. Luís do Maranhão. Biblioteca Nacional do Brasil

Dispersei-me um bocadinho neste post acerca desta estampa italiana, impressa em 1698 ou 1700, representando D. João IV e que tem tempos fez parte de um livro sobre as guerras no Brasil com os holandeses. Comecei em Outeiro seco, uma aldeia transmontana, passei por Roma, dei um pulo ao Nordeste Brasileiro e acabei no Rio de Janeiro. Cronologicamente também andei de trás para a frente, mas os objectos tem esta capacidade de nos fazer viajar no tempo e no espaço..
 
 

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Uma taça de faiança espanhola com tema de caça


Hoje apresento-vos uma taça em faiança com motivos de caça, que o meu amigo Manel comprou há uns tempos. Esta peça pareceu-nos desde logo antiga, mas não se assemelhava com nada da produção de faiança portuguesa dos séculos XVII e XVIII. O formato também é algo estranho na cerâmica portuguesa, uma taça pouco profunda, com uns pequenos pés e uma função indeterminada. O Manel e eu pusemos a hipótese de ser uma peça espanhola, talvez de Talavera ou Puente del Arzobispo e com efeito consultamos algumas publicações sobre a faiança do país vizinho e o estilo decorativo desta taça enquadrava-se muito mais na produção espanhola do que na portuguesa. Contudo, se na faiança portuguesa, podemos arriscar alguns palpites e atribuições, ainda que muito a medo, na cerâmica espanhola não temos de todo conhecimentos suficientes para classificar uma peça neste ou naquele centro de fabrico. Em suma, o Manel e eu decidimos que esta taça era uma coisa espanhola, antiga, mas de período e centro de fabricos incertos.

Passado alguns anos mostrei algumas fotografias esta taça a um especialista de faiança, o Rui Trindade, que confirmou tratar-se possivelmente de uma taça em faiança, fabricada algures em Espanha e no século XVIII. Chamou-me a atenção para o facto de ser uma peça moldada à mão, pois não é regular e que seria uma taça para conter alimentos sólidos.
A taça não está marcada. A irregularidade das formas prova que foi moldada à mão
Pouco tempo depois, a nossa amiga Maria Andrade esteve na casa alentejana do Manel, onde admirou esta taça e logo de seguida partiu para visitar o Palácio de Vila Viçosa, onde com o seu olho clínico descobriu uma peça com analogias evidentes a esta. O Manel e eu corremos para Vila Viçosa e lá encontramos dita taça, com um motivo tauromáquico, mas não tinha qualquer legenda, que nos pudesse esclarecer sobre o período e o centro de fabrico.
O tabuleiro do Paço Ducal de Vila Viçosa
Recentemente passou-me um livrinho pelas mãos, Roteiro Paço Ducal de Vila Viçosa / coord. e textos Maria de Jesus Monge. - Caxias : Fundação Casa de Bragança, 2010 e na página 32 do referido roteiro constava uma reprodução do tabuleiro com uma cena tauromáquica. A peça está dada como sendo espanhola, de Sevilha e datada do século XVIII. Li depois num texto na internet, que nos séculos XVII e XVIII a faiança sevilhana foi muito influenciada pela cerâmica de Talavera e de Alcora e que os temas mais típicos eram as cenas de caça com um carácter popular.
Em suma, esta taça moldada à mão será uma peça usada para conter pequenos alimentos e provavelmente foi executada em Sevilha durante o Século XVIII. Claro, não pudemos ter a certeza, pois nos finais do século XIX e inícios do XX, muitas fábricas espanholas começaram a produzir cerâmica ao gosto dos séculos XVII e XVIII e poder-se-dar o caso desta taça ser um desses revivalismos. 
Para melhor admirar esta taça, produzida nesta cidade andaluza, que te enamora e te embruxará, recomendo a inesquecível Sevilla, por Miguel Bosé.


Textos consultados:


Roteiro Paço Ducal de Vila Viçosa / coord. e textos Maria de Jesus Monge. - Caxias : Fundação Casa de Bragança, 2010

http://espanafascinante.com/productos/alfareria-y-ceramica-de-sevilla-pickman/

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Relógio de bolso de um ano fatídico: 1914

Por vezes, simples peças antigas, com um valor comercial mediano são símbolos de acontecimentos dramáticos, que mudaram o curso da humanidade. É o caso deste relógio de bolso de prata, que aparentemente nada o distingue de muitos outros relógios de bolso, tão comuns entre os cavalheiros do mundo ocidental, ao longo do século XIX e inícios do XX.

É certamente de origem helvética, o que não tem nada de extraordinário, porque neste período os relojoeiros suíços estabelecidos maioritariamente, no cantão de Genebra dominavam já o mercado mundial deste tipo de relógios. É, também, um modelo que encontramos à venda no e-bay ou nas feiras de velharias (centenas e centenas de exemplares), mas de fabricantes diferentes.
A marca de punção suíça, o galo montez ou tetraz 
Contudo, são as várias marcas que ostenta, que fazem deste relógio um caso pouco diferente. Como já referi, o relógio é certamente de fabrico suíço porque dentro da caixa, apresenta uma marca de punção suíça, usada entre 1880-1933, isto é, uma figurinha incisa, representando um galo montez ou tetraz. Para quem não saiba, as marcas de punção são sinais incisos feitos por um oficial de um organismo governamental ou pelo menos com funções normativas, cuja missão é verificar a qualidade da prata produzida pelos ourives.
Marcas de punção suíças usadas entre 1880-1933. http://www.vintagewatchstraps.com/swisshallmarks.php
No caso do meu relógio, a percentagem de prata obedecia à norma estabelecida, 0,800 e, consequentemente, o oficial fez a marca do contraste com um punção. Embora o mecanismo não apresente nenhum número, num fórum de relógios em que mostrei esta peça, afiançaram-me que era tipicamente suíço.

A percentagem oficial de prata: 0,800
Já a marca do mostrador, Gravina é um mistério. Pesquisei no Google pelos termos Gravina pocket watch, Gravina montre de poche, Gravina relógios de bolso e não encontrei nenhuma relojoaria suíça com esse nome. O único resultado que me apareceu sempre foi o de uma de uma joalharia Gravina, no Paraná, Brasil, já centenária, fundada em 1906, por um senhor austríaco, Nicolau Gravina. Coloquei a hipótese de se tratar de um relógio suíço comercializado por uma joalharia brasileira, a qual colocou no mostrador a sua marca. Este fenómeno é muito comum também aqui em Portugal e encontramos vários tipos de relógios com mecanismos suíços, americanos ou ingleses, com marcas de ourivesarias do Porto ou Lisboa.
Relógio de bolso marca Gravina

Entrei então em contacto com a Joalharia Gravina, no Paraná, que ainda está na posse da mesma família e um dos descendentes confirmou-me amavelmente, que venderam relógios comercializados com a marca Gravina, mas não tem qualquer informação para um período tão recuado.

No verso, o relógio apresenta uma inscrição personalizada em português, isto é, alguém mandou o ourives gravar as iniciais S.H.E., seguidas da expressão Prémio de Estudo 1914, e, ainda um monograma com as referidas iniciais. Portanto, este relógio foi oferecido em 1914 como prémio a um jovem que se distinguiu nos estudos.
 
Conversei com o meu amigo Vasco, que me ofereceu este relógio, uma herança familiar, mas ele não se lembra de nenhum antepassado cujo nome correspondesse as estas iniciais. 

Restaram-me então conjecturar histórias à volta do relógio. Engendrei uma história romântica em que um titio português enriquecido no Paraná, oferecia este relógio suíço a um sobrinho querido, como prémio dos seus resultados escolares brilhantes, mas a hipótese caiu por terra, pois não consegui provar que este relógio tenha sido comercializado pela joalharia Gravina. 

Ainda assim, 1914 foi o ano em que começou a primeira guerra mundial e pude imaginar que o jovem promissor, a quem foi oferecido este relógio, morreu prematuramente nos campos de batalha da Flandres. Mas, uma coisa é certa, o jovem estudante promissor de 1914 não pode usar este belo objecto de prata nas trincheiras, porque para quem estava deitado, com uma espingarda na mão, era impossível tirar o relógio do bolso, sem se levantar, e arriscar-se a apanhar um tiro. Por essa razão, durante primeira guerra mundial, os relógios de pulso generalizaram-se entre os combatentes e os relógios de bolso começaram a passar irremediavelmente de moda.
 
 
Aditamento: Depois da publicação deste post, o amigo que me ofereceu o relógio, o Vasco identificou o monograma como correspondendo às iniciais de um tio seu, Humberto Oliveira Barbudo (H.O.B.) nascido em 1904 e que à época deste relógio teria 11 anos. Nesse caso, é mais provável que as iniciais S.H.E. correspondam ao nome de quem ofereceu o relógio e o monograma a se reporte ao nome do jovem estudioso. Enfim, perdeu-se em ficção, ganhou-se em verdade.